Deise Dilkin23/11/2019

10 Curiosidades Sobre a Vida de Frida Kahlo

A pintora mexicana Frida Kahlo foi uma das maiores artistas latino-americana de todos os tempos. Sua obra só teve reconhecimento mundial anos após a sua morte. Apesar de acreditarmos que a sua vida se resume a sua famosa "monocelha", muito sofrimento e os seus famosos autorretratos, há muitas peculiaridades que são desconhecidas de seus admiradores.

Há inclusive detalhes que só foram descobertos há pouco tempo, como o seu guarda-roupa e objetos pessoais, escondidos em um banheiro e aberto 50 anos após a sua morte. Quando se acreditava que não havia mais nada a dizer sobre a vida da artista, mais de 300 peças de seu vestuário pessoal foram revelados.

Hoje Frida Kahlo é referência no mundo artístico, no universo feminino e símbolo da cultura pop. Sua vida inspira estilistas consagrados, movimentos sociais e bandas de rock. Seu rosto estampa capas de revistas famosas e camisetas de jovens.

A seguir traremos algumas curiosidades e aspectos pouco conhecidos de sua curta vida. Boa leitura!

1. Frida Kahlo Estudava Medicina

Antes de sofrer o acidente de ônibus, que a deixou de cama por vários meses, Frida estudava medicina na Escola Nacional Preparatória. Enquanto se recuperava do acidente, a artista começou a pintar para passar o tempo. Vendo que tinha talento, acabou abandonando a faculdade de medicina.

Frida ingressou na Escola Nacional Preparatória aos 14 anos. Seu pai Guillermo Kahlo, escolheu um programa de estudos que a deixaria em condições de ingressar em uma faculdade de medicina. Como ele mesmo não teve oportunidade de estudar e não teve nenhum filho homem, depositava em sua filha preferida todas as suas esperanças.

Após sofrer o acidente, com a dificuldade de se locomover até a Cidade do México para estudar e por ter começado a pintar, a artista não vou para a Escola Nacional Preparatória.

2. Teorias Conspiratórias Cercam a Morte de Frida

A artista morreu em 13 de julho de 1954, aos 47 anos de idade. Frida havia contraído uma forte pneumonia e em seu atestado de óbito registra embolia pulmonar como a causa de sua morte.

No entanto, não se descarta a hipótese de suicídio. Em seu diário, antes de morrer, a pintora registrou: "Espero alegre a minha partida – e espero não retornar nunca mais". Poucas semanas antes de sua morte, Frida havia tentado o suicídio.

Várias teorias conspiratórias rodeiam a sua morte. Além da possibilidade de suicídio, muitas pessoas acreditam que uma das amantes de seu marido a tenha envenenado. Também não foi descartada a hipótese de uma overdose acidental, visto a quantidade de remédio que a pintora tomava.

Seu corpo foi cremado e suas cinzas depositadas em uma urna em forma de sapo, que se encontra em exposição no Museu Frida Kahlo.

3. Frida Mentia Sobre sua Data de Nascimento

Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderón nasceu no dia 6 de julho de 1907. No entanto, ela afirmava ter nascido em 1910, ano que eclodiu a Revolução Mexicana. A pintora agia assim pois se considerava uma filha da revolução.

Frida Kahlo dizia ter nascido em 1910, ano da Revolução Mexicana.

Uma vez que era filha da década revolucionária, "Frida decidiu que ela e o México moderno haviam nascido no mesmo ano".

Na Casa Azul, hoje Museu Frida Kahlo, acima de sua cama, estão inscritas as palavras "Aquí nació Frida Kahlo el día 7 de julio de 1910". Era o desejo da artista, mas ela nasceu 3 anos antes.

4. Frida Kahlo Seduzia as Amantes de seu Marido

Frida e Diego mantinham um relacionamento muito complicado, envolvendo diversas traições de ambos os lados. Bissexual assumida, há relatos de que Frida, para se vingar das traições constantes de Diego, passou a ter relações sexuais com as amantes dele.

O casal manteve diversos triângulos amorosos e era sempre Frida quem seduzia as amantes de Diego. Ele inclusive incentivava que a esposa mantivesse relações sexuais com outras mulheres.

Um dos triângulos amorosos de Frida e Diego foi com a estrela de cinema Maria Félix, que chegou a morar com o casal na Casa Azul, em Coyoacán. Uma secretária de Diego confidenciou que a pintora mexicana encontrava consolo em cultivar amizade com as amantes do marido.

5. Frida Mudou o seu Vestido de Casamento

Em 1929, quando se casou com Diego Rivera, Frida usaria um vestido branco rendado. Insatisfeita, ela decidiu mudar de última hora seu vestido. Pediu emprestada uma roupa mais simples da empregada indígena de seus pais.

A roupa tinha as cores verde e vermelha, presentes na bandeira do México. Durante toda a sua vida, Frida usava suas roupas como forma de expressão. Usava inclusive muitos trajes folclóricos, com cores fortes e vibrantes.

Sobre o casamento de Frida Kahlo e Diego Rivera, o jornal La Prensa, da capital mexicana, noticiou:

"Diego Rivera se casou — na última quarta-feira, na cidade vizinha de Coyoacán, o muito discutido contraiu núpcias com a senhorita Frida Kahlo, uma de suas pupilas. A noiva, como se pode ver, estava vestida com roupas simples, e o pintor Rivera trajava à americana e sem colete. A cerimônia foi despretensiosa, celebrada em atmosfera cordial e com toda a modéstia, sem ostentação e sem pompas. Após o enlace, os noivos foram calorosamente cumprimentados por alguns amigos íntimos."

6. Frida Kahlo Pintou 143 Quadros

Durante a sua curta vida, Frida Kahlo pintou 143 quadros.

Durante a sua curta vida, Frida Kahlo pintou 143 quadros. Dentre eles, retratos, autorretratos, obras inspiradas na natureza e na cultura mexicana. Do total, mais de 50 deles eram autorretratos seus.

Frida foi a primeira artista mexicana a ter um quadro exposto no Museu do Louvre, em Paris. Seu autorretrato "El Marco" está exposto permanentemente no museu francês.

O quadro "Dos desnudos en el bosque (La Tierra misma)" foi arrematado por 8 milhões de dólares, em um leilão em Nova Iorque. O restante de seus quadros estão espalhados pelo mundo, no Museu Dolores Olmedo e no Museu Frida Kahlo, ambos na Cidade do México, assim como em diversas outras instituições.

7. Frida Era Descendente de Alemães

Frida era descente de indígenas e alemães. Seu pai Guillermo Kahlo nasceu em Pforzheim, Alemanha e seu nome original era Carl Wilhelm Kahlo. Ele se mudou para o México aos 19 anos e trocou seu nome para Guillermo.

O terceiro nome da artista e o qual a família usava, significa "paz" em alemão. E a grafia correta era "Frieda", o qual ela usou até o final da década de 1930. Com a ascensão do nazismo na Alemanha, Frida decidiu abandonar a letra "e" de seu nome.

Em um de seus quadros mais famosos "As duas Fridas", a artista pintou a si mesma em suas duas descendências: a indígena mexicana e a europeia.

8. Frida Usava Escondia suas Deformidades

Frida Kahlo também conseguia ser uma mulher bastante contraditória. Apesar de criticar muito os padrões estéticos de Hollywood, usava saias longas e rodadas para esconder a deformidade de uma de suas pernas. Ao mesmo tempo que criticava alguns padrões também tentava esconder suas próprias fragilidades.

Frida usava saias longas e rodadas para esconder a deformidade de uma de suas pernas.

Devido às inúmeras cirurgias que teve que fazer em decorrência do acidente de bonde, ela precisou vestir durantes toda a sua vida corseletes e coletes de gesso. Frida os enfeitava com bordados, rendas e flores. Ela usava suas roupas como forma de recuperar sua autoestima e se tornar mais visível. Segundo a biógrafa Hayden Herrera "as roupas distraiam Frida, e o observador, da dor interior".

9. Frida Tentou Suicídio Diversas Vezes

Em 1953, os médicos tiveram que amputar parte da perna direita da pintora. Sua saúde estava muito agravada, grande parte de seus dedos já haviam sido retirados e a amputação foi a única solução encontrada. A vaidade de Frida ficou despedaçada com esse episódio.

Apesar de tentar fazer graça com a situação, como era costume seu, a artista nunca mais recobrou a vontade de viver. Ao ter alta do hospital, entrou em depressão e tentou o suicídio por diversas vezes com facas e martelos. Em uma anotação em seu diário no dia 11 de fevereiro de 1954, Frida escreveu:

"Amputaram-me a perna há seis meses, deram-me séculos de tortura e há momentos em que quase perco a razão. Continuo querendo me matar. O Diego é que me impede de fazer isso, pois a minha vaidade me faz pensar que ele sentiria a minha falta. Ele me disse isso e eu acreditei. Mas nunca sofri tanto em toda a minha vida. Vou esperar mais um pouco."

10. Frida Foi de Ambulância para Sua Primeira Grande Exposição

Em 1953, um ano antes de morrer, Frida teve a sua primeira grande exposição no México. A pintora já estava com sua saúde bastante debilitada. No entanto, às oito da noite, ela chegou em uma ambulância.

Frida foi de ambulância para sua primeira grande exposição.

Sua cama havia sido instalada na Galeria de Arte Contemporânea da Cidade do México e Frida foi acomodada nela. Todos os seus amigos compareceram e fizeram fila para cumprimentá-la.

Frida usava o seu traje mexicano típico favorito e ninguém esperava que ela comparecesse. Mais uma vez a pintora mostrou toda a sua vontade de viver, sua força e determinação e contrariou a todos.

Infelizmente sua obra foi reconhecida tardiamente. Em vida, era conhecida como a esposa de "Diego Rivera". Apenas nos Estado Unidos e na França que Frida teve um leve reconhecimento enquanto ainda estava viva. Hoje ícone pop, ela estaria orgulhosa do lugar de destaque que ela conseguiu no coração de milhões de admiradores de sua vida e obra.

10% OFF
1ª compra
🤍